- Começa neste sábado 03/06/17 a 1¤ copa da amizade, com a abertura ao 12hrs, organizada pela ABESC Caçapava com a coordenação de Danilo Augusto, voluntário nesta associação e funcionário da GM. A copa será realizada no ginásio de esportes do Clube Recreativo Jequitiba de Caçapava em SP e a entrada será franca. Os jogos aconteceram aos sábados das 13 as 18 hrs e aos domingos a partir das 8:00hrs do dia 3 de Junho a 9 de julho. Participaram equipes de Caçapava e taubate: ABESC Caçapava Jequitibá, Craquenet Caçapava, Nestlé, Nacional, São Gonçalo Taubaté, Palmeiras Caçapava, Califórnia Taubaté, Meninos de Ouro, Instituto Vida Taubaté e Aliança Taubaté. A copa contará com cerca de 550 atletas. -

ABESC Apresenta a1¤ copa da amizade

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Você vai alterar a química da Terra quando estiver morto



Ferro, zinco, enxofre, cálcio e fósforo. Tudo isso tem de ir para algum lugar depois que você parte desta para uma melhor


Fim da linha. Você é posicionado em seu túmulo sob os lamentos da família e dos amigos para aproveitar seu descanso eterno. Mas espere: há ainda uma última tarefa. Uma derradeira contribuição que você fará ao planeta.


Ao morrermos, passamos a fornecer ao solo uma variedade de elementos químicos – arrancados do nosso corpo pelo processo natural de decomposição. Por conta disso, minerais bem importantes à vida, como ferro, zinco, enxofre, cálcio e fósforo, acabam também morrendo com a gente. Isso porque seu potencial ficará concentrado apenas na área ocupada pelos cemitérios.
É isso mesmo. Por baixo daquele cenário macabro, com lápides a perder de vista, há um gigantesco canteiro inexplorado. A riqueza de nutrientes presente no solo dos cemitérios é capaz de melhorar o rendimento e a qualidade do que quer que seja plantado lá – as vistosas melancias de mais de 3kg que nasceram espontaneamente em um cemitério no interior do Paraná são provas vivas disso.
E esses efeitos são apenas dinamizados a cada novo corpo depositado nas covas, defendeu Ladislav Smejda, pesquisador da Czech University of Life Sciences, em uma conferência da União Europeia de Geociências: “Talvez esse não seja um problema no atual momento, mas o aumento global da população pode torná-lo um problema para o futuro”.
A solução? Práticas funerárias menos egocêntricas. Sem cemitérios, os restos mortais humanos e seus nutrientes seriam distribuídos naturalmente pelo ambiente – e aproveitados por um número bem maior de seres vivos. Ao garantir comodidade aos parentes escolhendo um endereço fixo para toda a eternidade, estamos obedecendo apenas a nossa própria lógica.
“Na natureza, nada se perde, nada se cria; tudo se transforma”, já bem disse Lavoisier lá no século 18. Nada mais justo que, como forma de pagamento por todos os recursos utilizados, você retorne ao solo em forma de minerais – quem sabe isso compense um pouco a pegada ecológica que você deixou para trás.
fonte:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com a presença de Neto, Chapecoense apresenta elenco para 2017

AS MAIS VISTAS

Seguidores

COMPARTILHAR POSTAGENS