- Agradecimento ABESC Caçapava - SP - Copa da Amizade -

sábado, 24 de junho de 2017

Centrais sindicais divergem e desistem de greve geral no dia 30

Reunião de centrais sindicais

Segundo participantes, o ministro manifestou o temor de que o dia fosse marcado pelo "Fora Temer"e acenou com a possibilidade de manutenção da contribuição sindical e a extinção gradativa do imposto.

Enfrentando divergências internas após intervenção do governo Temer, as centrais sindicais desistiram, nesta sexta (23), da convocar uma greve geral para o dia 30, como anteriormente anunciado.

Após três horas de reunião, dirigentes de nove centrais divulgaram nota em que apresentam um calendário de mobilizações, mas sem usar a expressão greve geral.
Dirigentes de Força Sindical, UGT, Nova Central e CSB deverão se reunir na semana que vem com o presidente Michel Temer. CUT e CTB poderão ser convidadas. "Vamos parar o Brasil", diz a nota.

Pesou para a decisão a constatação de que os trabalhadores da área de transportes, especialmente os de São Paulo, não parariam no dia 30. Os metroviários resistiram sob argumento de que foram punidos com perda de quatro dias de salário em decorrência da greve do dia 28 de abril.

Mas não foi só. A Força Sindical recuou após forte articulação do governo Temer. Nesta semana, dirigentes de Força, UGT, Nova Central e CSB foram convidados para uma reunião com o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. Ficou acertada uma audiência com o presidente.

Segundo participantes, o ministro manifestou o temor de que o dia fosse marcado pelo "Fora Temer"e acenou com a possibilidade de manutenção da contribuição sindical e a extinção gradativa do imposto.

A CUT (Central Única dos Trabalhadores) admite a suspensão da contribuição. A Força Sindical reivindica sua permanência. Diante da possibilidade de negociação, a Força passou a defender que o dia 30 tivesse o caráter de dia nacional de mobilização e paralisação.

O secretário-geral da Força, João Carlos Gonçalves, o "Juruna", afirma que o "governo sinalizou com o diálogo" ao admitir a hipótese de veto ou edição de uma MP sobre o tema. E acrescenta: "Não é greve geral. É paralisação nacional, de acordo com a força de cada central".

O recuo expõe rachas entre as diferentes centrais. Os bancários, filiados à CUT, defendiam adesão à greve. Metroviários, não. As divergências foram expressas na quinta-feira (22), nas notas divulgadas pela Força Sindical e CUT. Pela manhã, a Força Sindical divulgou um comunicado orientando seus filiados a realizarem "atos, manifestações e paralisações em suas bases" na próxima sexta-feira (30).
À tarde, a CUT divulgou uma nota cujo título diz reforçar "greve do dia 30 contra as reformas de Temer"


fonte: http://www.folhape.com.br/economia/economia/geral/2017/06/24/NWS,32222,10,478,ECONOMIA,2373-CENTRAIS-SINDICAIS-DIVERGEM-DESISTEM-GREVE-GERAL-DIA.aspx

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com a presença de Neto, Chapecoense apresenta elenco para 2017

POSTAGEM EM DESTAQUE

AO VIVO - Pânico na Band

AS MAIS VISTAS

Seguidores

COMPARTILHAR POSTAGENS